Balanço da Comunidade ISM: 41% de funcionários públicos, 43% da área acadêmica, 60% crescimento em redes

11 nov

Balanço da Comunidade ISM: 41% de funcionários públicos, 43% da área acadêmica, 60% crescimento em redes

Em 2020, o Instituto Social do MERCOSUL avançou na estratégia de fortalecer o contato com sua comunidade e ampliar o conhecimento sobre o amplo conjunto de profissionais, estudantes, técnicos governamentais e autoridades vinculados às atividades do ISM. Para isso, intensificou-se o trabalho em redes sociais, via e-mail e atenção virtual, possível desde a instalação em maio deste ano de um cronograma constante de atividades virtuais promovidas em torno à Escola de Governo de Políticas Sociais, Diálogo de Assunção para a Agenda Social e Agenda 2030 (DAAS) e os programas em território e da área de pesquisa.

O fortalecimenti da comunidade ISM esteve presente desde a criação da nova página, inaugurada em abril deste ano e o lançamento da campanha de conscientização “Países mais integrados, pessoas mais protegidas”. Além de alguns canais em redes sociais, também foram ativados canais de comunicação específicos, como o Boletim Monitor ISM, produção de vídeos e transmissão audiovisual.

Em outubro de 2020, o ISM contava com 32,5 mil seguidores em redes sociais (12,6 mil a mais que no final de 2019), um crescimento de 60%, 5,5 mil inscritos ao Boletim Monitor ISM e lista de e-mails (3,5 mil a mais que no final de 2019), e 350 inscritos à Revista Científica. A comunidade ISM também é composta por participantes nas atividades do DAAS e outras atividades públicas (5,8 mil participantes), estudantes da Escola de Governo (300 estudantes) e candidatos e candidatas a um dos cursos (1409 inscritos em 2020), usuários do site ISM (50 mil diferentes) e Revista Científica (22 mil downloads).

Todos esses dados vêm sendo analisados para melhorar a oferta de serviços do ISM e podem ser acompanhados através da página http://www.ismercosur.org/pt/comunidade-ism/

Perfil da nossa comunidade

Considerando os dados reportados pelos membros ativos da comunidade ISM em 2020, são 60% mulheres (3.098) e 40% homens (2.032), sendo 26,7% da Argentina, 25,7% do Paraguai, 15,8 % do Brasil e 5,7% do Uruguai (17% são de outros países da América do Sul, 7% da América Central e do Norte, 1% da Europa e menos de 1% de outros continentes). Um total de 44% dos membros ativos mencionou que trabalham no âmbito privado, são autônomos ou estudantes . Os servidores públicos ou em função pública representam 41% do total dos membros e estão vinculados a diversos níveis de governo (municipal, provincial ou federal) e aos três poderes (executivo, judiciário e legislativo). Outros 10% são representantes de organizações sociais e 5% de organizações internacionais.

A maior parte dos membros ativos (43%, 1599 pessoas) está vinculada à área de Educação e Pesquisa Científica, em geral universidades públicas e privadas, e Centros de Pesquisa do MERCOSUL (além de alunos, há pelo menos 378 professores, 99 pesquisadores e 91 gerentes técnicos e acadêmicos). A área de Desenvolvimento e Proteção Social, englobando questões específicas de população (como indígenas, gênero e afrodescendentes) foi considerada a principal área de atuação de 473 integrantes (12,9%), sendo a área de Governo (Municipal, Distrital ou Estadual, além do campo legislativo e comissões regionais de desenvolvimento local) a área principal de 342 membros (9,2%), aqui não sendo contabilizados profissionais que atuam em temas específicos..

A área de Relações Exteriores, Cooperação Internacional e Desenvolvimento Sustentável foi considerada a principal área de atuação de 328 membros (8,9%); e foi seguido por Justiça e Defesa (5,5%, 203 membros); Indústria, Serviços e Trabalho (3,6%, 133 associados); Planejamento, Acompanhamento e Administração (3,2%, 120 integrantes); Saúde (3,1%, 118 membros); Fronteiras, Migração e Aduanas (2,9%, 106 membros); Arquitetura, Infraestrutura e Energia (1,7%, 62 membros); Meio Ambiente e Agricultura (2%, 76 membros), Turismo e Cultura (1,5%, 56 membros) e Mídia e Tecnologia (1,2%, 47 membros).

No que se refere às instituições expressamente citadas como vínculo atual dos membros, destaque para os acadêmicos, em especial a Universidade Nacional de Assunção (UNA), do Paraguai, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), do Brasil, a Universidade do Buenos Aires (UBA), da Argentina, a Universidade da República (UDELAR) e a Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI), do Brasil.